Perfil

Alexandre Borges Cabral, presidente

Alexandre Borges Cabral, 54 anos, é formado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual do Ceará, com MBA em finanças pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec)-RJ.

Profissional com 30 anos de experiência na área financeira, é servidor de carreira do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), onde exerceu os cargos de superintendente de Negócios Corporativos, assessor executivo da Presidência, assessor da Diretoria de Gestão do Desenvolvimento e da Diretoria Financeira e Câmbio. Antes de assumir a presidência da Casa da Moeda, trabalhava como gerente geral da superintendência de São Paulo.

Também foi membro titular do Conselho Fiscal da Caixa de Previdência dos funcionários (CAPEF) - Fundo de Pensão do BNB, e atuou como coordenador da área de Atração de Investimentos da Secretaria do Turismo do Ceará.

Ary Vicente de Santana, diretor de Inovação e Mercado (DIRIM)

Ary Vicente de Santana, 55 anos, é bacharel em Ciências Econômicas pelo Centro Universitário do Distrito Federal, pós-graduado (strictu-sensu) em Informática e Rede de Computadores e mestre (latu-sensu) em Gestão do Conhecimento e da Tecnologia da Informação pela Universidade Católica de Brasília - UCB.

Servidor de carreira do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), atuou como coordenador-geral de infra-estrutura tecnológica promovendo diversos investimento em ativos de tecnologia da informação para dar suporte às ações do FNDE; coordenador-geral de tecnologia da informação do Ministério da Cultura; e coordenador de auditoria interna do FNDE.

Como docente, por vinte e um anos, atuou como professor na área de Tecnologia da Informação em diversas instituições de ensino superior; e como professor eventual na cadeira de Gestão de Tecnologia da Informação para cursos de pós-graduação da Universidade Católica de Brasília (UCB), da Universidade de Brasília (UnB) e da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Atuou, também, como vice-presidente do Comitê Gestor de TI e vice-presidente do Comitê Gestor de Segurança da Informação. Participou de diversas comissões de licitação e foi membro do Comitê de Ética.

Está na Diretoria da Casa da Moeda do Brasil desde 26/07/2018.

Abelardo Duarte de Melo Sobrinho, diretor de Desenvolvimento (DIDES)

Com experiência de 32 anos no Banco Central, Abelardo Duarte de Melo Sobrinho foi auditor, coordenador, supervisor, gerente técnico e consultor em várias áreas, entre elas os Departamentos de Fiscalização, de Combate a Ilícitos Financeiros e Cambiais, e de Organização do Sistema Financeiro. Formado em Contabilidade, também tem formação no exterior promovida pelo Federal Reserve (o Banco Central dos Estados Unidos) sobre Avaliação de Instituições Financeiras (Camels), patrocinado pelo Centro de Estudos Monetários Latino-Americanos (CEMLA) e sobre Técnicas de Aplicação de Derivativos, patrocinado do Banco Central da Argentina.

Durante a fase no Banco Central, também desenvolveu técnicas para a elaboração e análise de planos de negócios e correspondente estudo de viabilidade econômico e financeira em instituições do Sistema Financeiro Nacional.

De 2010 a 2014, Abelardo foi Diretor de Apoio a Negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob, onde liderou cinco gerências (marketing, controladoria, regras de negócio, inteligência em negócios e de normas).

Publicou os livros “Microfinanças – O Papel do Banco Central do Brasil e a Importância do Cooperativismo de Crédito” e “Governança Cooperativa – Diretrizes e mecanismos para fortalecimento da governança em cooperativas de crédito”, pela Editora BCB. Pela Editora UFG, lançou “Rumos do Cooperativismo Financeiro no Brasil – Diagnóstico, Oportunidades e Desafios”.

Tem larga experiência como palestrante, especialmente sobre o assunto cooperativismo de crédito, organização sistêmica e governança em cooperativas financeiras. Também é professor convidado em aulas de MBA com foco na Gestão Financeira e Estudo de Viabilidade, técnicas de análise de planos de negócios a partis dos planos mercadológicos, operacional e financeiro e projeções sobre a viabilidade de projetos e testes de estresse.

Vagner de Souza Luciano, diretor de Gestão (DIGES)

Servidor da carreira Finanças e Controle da Controladoria Geral da União (CGU), o brasiliense Vagner de Souza Luciano, de 43 anos, assumiu a diretoria de Gestão da CMB em outubro de 2015.

Tem bacharelado em Direito pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) e Pós-Graduação em Direito Público pelo Instituto Processus de Cultura e Aperfeiçoamento Jurídico.

Foi diretor do Departamento de Gestão Interna do Ministério do Esporte durante a Copa do Mundo, dando suporte na área de gestão de recursos materiais e de pessoas; diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde; e coordenador-geral de Auditoria da Área de Planejamento, Orçamento e Gestão da CGU. Trabalhou também na Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e na CGTEE (empresa subsidiária da Eletrobras).

Antes de assumir a Diretoria de Gestão da CMB, trabalhou na Assessoria da Secretaria Federal de Controle Interno, da CGU.

Jehovah de Araújo Silva Júnior, diretor de Operações (DIOPE)

Formado em engenharia mecânica, com pós-graduação em Gestão para a Excelência (Qualidade e Produtividade) e Planejamento e Gestão Estratégica de Negócios, ambos pela Fundação Getúlio Vargas.

Com 55 anos, é funcionário da Casa da Moeda desde 1989. Foi Chefe da Seção de Auditoria da Qualidade, Chefe da Divisão de Controle da Produção, Superintendente do Departamento de Gestão da Qualidade e do Departamento de Moedas e Medalhas.. Atuou como Avaliador Sênior do Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ) e do Prêmio Qualidade Rio (PQ-Rio).

Foi representante da CMB em viagens internacionais para visitas e estudos em Casas Impressoras e Cunhadoras nos seguintes países: Alemanha, Itália, Inglaterra, Índia, Canadá, França, Argentina e Áustria.